BlogArte

“Conto de Natal” – Charles Dickens Dezembro 3, 2008

Filed under: Uncategorized — heshimuevans @ 11:28 am
Tags: ,

charles-dickens

Charles John Huffam Dickens nasceu em Portsmouth no dia 7 de Fevereiro de 1812 e morreu em 9 de Junho de 1870. A fama dos seus romances e contos, tanto durante a sua vida como depois, até aos dias de hoje, só aumentou. Apesar de os seus romances não serem considerados muito realistas, Dickens contribuiu em grande parte para a introdução da crítica social na literatura de ficção inglesa.

Ensinado por sua mãe, passava muito do seu tempo a ler infindavelmente. Daí saiu o seu gosto pela leitura. Entre os livros da sua infância encontravam-se também obras de Daniel Defoe, Goldsmith, bem como o “Dom Quixote“.

A sua família era remediada em termos económicos, o que lhe permitiu frequentar uma escola particular durante três anos. O seu pai foi preso por dívidas e com 10 anos, Dickens mudou-se para Londres. Aos doze anos ele começou a trabalhar numa empresa de graxa de sapatos perto de uma Estação Ferroviária. O seu trabalho consistia em colar rótulos nos frascos de graxa, ganhando, por isso, seis xelins por semana. Com o dinheiro, sustentava a família, encarcerada na prisão para devedores.

Alguns anos depois, a situação financeira da família melhorou consideravelmente, graças a uma herança recebida pelo seu pai. A sua família deixou a prisão, mas a mãe não o retirou logo da fábrica, que pertencia a um amigo. Dickens jamais perdoaria a mãe por essa injustiça. O tema das más condições de trabalho da classe operária inglesa tornar-se-iam, mais tarde, um dos mais recorrentes da sua obra.

Dickens começou a trabalhar num escritório, sendo promovido a advogado. Mas não gostou do seu trabalho porque odiava a ida aos tribunais. Tornou-se depois jornalista.

A 2 de Abril de 1836, casou-se com Catherine Hogarth, de quem teve dez filhos

Em 1843, publicava o seu mais famoso livro de Natal, “A Christmas Carol” (“Canção de Natal”), ao qual se seguiriam outros, com a mesma temática, como “The Chimes” (1844), que escreveu em Génova na sua primeira grande viagem ao estrangeiro. Em 1845, “The Cricket on the Hearth” (“O Grilo da lareira“) torna-se também um dos seus maiores sucessos natalícios.

Os livros de Dickens tornaram-se extremamente populares na época e eram lidos com grande expectativa por um público muito fiel à sua escrita.

Dickens separou-se da sua mulher em 1858. O trabalho de cuidar dos dez filhos do casal, aliado à pressão resultante de ser a esposa e dona de casa de um romancista mundialmente reconhecido não ajudava. A sua irmã, Georgina, tinha mudado para casa de Dickens, para ajudar Catherine no seu trabalho doméstico – há, contudo, rumores de que teve um caso amoroso com o cunhado.

A escrita de Dickens é hoje considerada excessivamente sentimentalista e melodramática: a morte de personagens de quem gostamos particularmente.

A Christmas Carol é um livro de Charles Dickens. Com várias traduções no Brasil, sendo a mais correcta Um Cântico de Natal, o livro foi escrito em menos de um mês originalmente para pagar dívidas, mas tornou-se um dos maiores clássicos natalinos de todos os tempos. Charles Dickens o descreveu como seu “livrinho de Natal”, e foi primeiramente publicado em 19 de Dezembro de 1843, com ilustrações de John Leech. A história transformou-se instantaneamente num sucesso, vendendo mais de seis mil cópias em uma semana.

conto-de-natal-de-charles-dickens

O seu conto “Canção de Natal” é talvez a sua história mais conhecida. As adaptações são inúmeras, para quase todos os géneros de comunicação: cinema, banda desenhada, televisão, teatro, outras adaptações literárias, etc, criam um fenómeno de popularidade que transcende a obra original. Segundo alguns, esta história, patética, moralista e bem-humorada, resume o verdadeiro significado do Natal.

Escreveu cerca de 23 contos!

Para finalizar, fica aqui um vídeo do “Conto de Natal” de Charles Dickens.

Luís Vicente