BlogArte

Tarsila do Amaral Novembro 29, 2008

Filed under: Uncategorized — tiagocv @ 8:55 pm

Auto-retrato – 1924

Tarsila do Amaral nasceu em 1º de setembro de 1886 na Fazenda São Bernardo, município de Capivari, interior do Estado de São Paulo. Filha de José Estanislau do Amaral e Lydia Dias de Aguiar do Amaral, era neta de José Estanislau do Amaral, que o seu cognome era  “o milionário” porque tinha muito dinheiro que acumulou abrindo fazendas no interior de São Paulo. O pai deTarsila  herdou muito dinheiro e também ganhou muitas fanzendas nas quais Tarsila viveu a sua infância e adoloscência.Estuda em São Paulo no Colégio Sion e completa seus estudos em Barcelona, onde pinta seu primeiro quadro que se  chamou “Sagrado Coração de Jesus”. Pintou este quadro  aos 16 anos. Casa-se em 1906 com André Teixeira Pinto com quem teve sua única filha, Dulce. Separa-se dele e começa a estudar escultura em 1916 com Zadig e Mantovani em São Paulo. Posteriormente estuda desenho e pintura com Pedro Alexandrino. Em 1920 embarca para a Europa tentando ingressar na Académie Julian em Paris. Frequenta também o ateliê de Émile Renard. Em 1922 tem uma tela sua admitida no Salão Oficial dos Artistas Franceses. Nesse mesmo ano regressa ao Brasil e integra-se  com os intelectuais do grupo modernista. Faz parte do “grupo dos cinco” juntamente com Anita Malfatti, Oswald de Andrade, Mário de Andrade e Menotti del Picchia. Nessa época começa seu namoro com o escritor Oswald de Andrade. Embora não tenha sido participante da “Semana de 22” integra-se ao Modernismo que surgia no Brasil, visto que na Europa estava fazendo estudos acadêmicos.


Abaporu – 1928 

Volta à Europa em 1923 e tem contato com os modernistas que lá se encontravam: intelectuais, pintores, músicos e poetas. Estuda com Albert Gleizes e Fernand Léger, grandes mestres cubistas. Mantém estreita amizade com Blaise Cendrars, poeta franco-suiço que visita o Brasil em 1924. Inicia sua pintura “pau-brasil” dotada de cores e temas acentuadamente brasileiros. Em 1926 expõe em Paris, obtendo grande sucesso. Casa-se no mesmo ano com Oswald de Andrade. Em 1928 pinta o “Abaporu” para dar de presente de aniversário a Oswald que se empolga com a tela e cria o Movimento Antropofágico. É deste período a fase antropofágica da sua pintura. Em 1929 expõe individualmente pela primeira vez no Brasil. Separa-se de Oswald em 1930.

Em 1933 pinta o quadro “Operários” e dá início à pintura social no Brasil. No ano seguinte participa no I Salão Paulista de Belas Artes. Passa a viver com o escritor Luís Martins por quase vinte anos, de meados dos anos 30 a meados dos anos 50. De 1936 à 1952, trabalha como colunista nos Diários Associados.


São Paulo – 1924

Nos anos 50 volta ao tema “pau brasil”. Participa em 1951 na I Bienal de São Paulo. Em 1963 tem sala especial na VII Bienal de São Paulo e no ano seguinte participa em especial na XXXII Bienal de Veneza. Faleceu em São Paulo no dia 17 de janeiro de 1973.

 

                                        tiagocv 🙂  😉

 

Anúncios
 

Paul Gauguin Novembro 28, 2008

Filed under: Uncategorized — jorge sousa @ 8:38 pm

     Paul Gauguin nasceu em Paris a 7 de Junho de 1848 e morreu nas Ilhas Marquesas,a 8 de Maio de 1903.

180px-paul_gauguin_125 Auto-retrato

     Paul Gauguin foi um pintor francês do pós-impressionismo.Apesar de ter nascido em Paris,Gauguin viveu os primeiros 7 anos da sua vida em Liam,Perú,para onde os seus pais se mudaram após a chegada de Napoleão III ao poder.

     Quando voltou para França em 1855,estudou em Orléans e ,aos 17 anos,ingressou na marinha mercante e correu o mundo.Trabalhou de seguida numa corretora de valores parisiense e,em 1873,casou-se com a dinamarquesa Mette Sophie Gad,com quem teve 5 filhos.

     Aos 35 anos, após a quebra da Bolsa de Paris,tomou a decisão mais importante de sua vida:dedicar-se totalmente à pintura. Começou assim uma vida de viagens e boémia, que resultou numa produção artística singular e determinante das vanguardas do século XX. Ao contrário de muitos pintores , não se incorporou ao movimento impressionista da época. Expôs pela primeira vez em 1876.Mas não seria uma vida fácil,tendo atravessado dificuldades económicas, problemas conjugais, privações e doenças.

     A sua obra,longe de poder ser enquadrada em algum movimento,foi tão singular como a de seus amigos Van Gogh ou Paul Cézanne.Apesar disso,é verdade que teve seguidores e que pode ser considerado o fundador do grupo Les Nabis,que,mais do que um conceito artístico,representava uma forma de pensar a pintura como filosofia de vida.

     As suas primeiras obras tentavam captar a simplicidade da vida no campo.O pintor parte para o Taiti,em busca de novos temas,para se libertar dos condicionamentos da Europa.A cor  adquire mais preponderância representada pelos vermelhos intensos,amarelos,verdes e violetas.

180px-paul_gauguin_145Duas taitianas com flor de manga

     Morou durante algum tempo em Pont-Aven,na Bretanha,onde sua arte amadureceu.Posteriormente,morou no sul de França,onde conviveu com Vicent Van Gogh.Numa viagem à Martinica,em 1887,Gauguin passou a renegar o impressionismo e a empreender o “retorno ao princípio”,ou seja,à arte primitivista.

     Quando voltou a Paris,realizou uma exposição individual na gaelria de Durand-Ruel,voltou ao Taiti,mas fixou-se definitivamente na Ilha Dominique.Nessa fase,criou algumas das suas obras mais importantes,como “De onde viemos?O que somos?Para onde vamos?”,uma tela enorme que sintetiza toda a sua pintura,realizada antes de uma frustrada tentativa de suicídio utilizando arsénio.

o-cristo-amarelo18891  O Cristo Amarelo,1889.

 

Vários tipos de arte

Filed under: Uncategorized — heshimuevans @ 12:49 pm

Vou-vos mostrar vários tipos de arte em diferentes locais do mundo. Prestem atenção e fiquem com uma ideia de cada uma delas. Todas as elas são muito importantes e bonitas. Cá vai:

Arte japonesa

Arte egípcia

Arte chinesa

Arte africana

Arte grega

Arte rupestre

Luís Vicente

 

A arte egípcia

Filed under: Uncategorized — heshimuevans @ 8:10 am

 

A arte Egípcia surgiu a mais de 3000 anos A.C., mas é entre 1560 e 1309 A.C. que a pintura Egípcia se destaca em procurar refletir os movimentos dos corpos e por apresentar preocupação com a delicadeza das formas.

O local a ser trabalhado primeiramente recebia um revestimento de gesso branco e em seguida se aplicava a tinta sobre gesso. Essa tinta era uma espécie de cola produzida com cores minerais.

Os egípcios ao esculpir e pintar tinham o propósito de relatar os acontecimentos de sua época, as histórias dos Faraós, deuses e do seu povo em menor escala, já que as pessoas não podiam ser representadas ao lado de deuses e nem dentro de templos. Provavelmente eles não tiveram a intenção de nos deixar a “arte” de seus criadores.
O Faraó representava os homens junto aos deuses e os deuses junto aos homens, assim como era responsável pelo bem-estar do povo, sendo considerado também como um próprio Deus.

As pirâmides do deserto de Gizé são as obras arquitetônicas mais famosas e, foram construídas por importantes reis do Antigo Império: Quéops, Quéfren e Miquerinos. Junto a essas três pirâmides está a esfinge mais conhecida do Egito, que representa o faraó Quéfren, mas a ação erosiva do vento e das areias do deserto deram-lhe, ao longo dos séculos, um aspecto enigmático e misterioso.As pirâmides tinham base quandrangular eram feitas com pedras que pesavam cerca de vinte toneladas e mediam dez metros de largura, além de serem admiravelmente lapidadas. São as grandes figuras da arte egípcia.

                                                                   

As características gerais da arquitetura egípcia são: 
* solidez e durabilidade; 
* sentimento de eternidade; e 
* aspecto misterioso e impenetrável.

                                                                          

 

“Guernica” em 3D – parte 2 Novembro 26, 2008

Filed under: Uncategorized — Ana Catarina @ 11:15 pm
Tags: , , , , ,

Há umas semanas publiquei aqui um artigo com a ligação a um vídeo que faz a exploração 3D (3 Dimensões) do famoso mural de Pablo Picasso, “Guernica”.

Na altura, pus só a ligação porque não dava para colocar aqui o vídeo como ficam os do YouTube. No entanto, houve quem não o conseguisse ver 😦

Nas minhas andanças pelo YouTube, onde tenho encontrado muitos trabalhos interessantes sobre obras de arte, tive a agradável surpresa de encontrar o tal vídeo do “Guernica” em 3D. Assim, aqui fica para que todos o possam ver 😉

O segundo vídeo mostra uma visão interessante de como poderá ter sido pintado este mural. Ajuda a ver melhor todas as figuras que nele se encontram.

Apreciem 😀

“Guernica 3D” por Lena Gieseke

“Cómo se pinto…” por Freddy

 

A arte africana

Filed under: Uncategorized — heshimuevans @ 8:10 am

A arte africana envolve uma sombra diferenciada, desde representaçõesem pinturas, esculturas e objectos ornamentais de uso permanente e quotidiano para comemorar os ascendentes, cultuar as forças naturais, invocar forças vitais, propiciar boas colheitas, até objectos em geral que acompanham os ritos, danças e cerimónias religiosas.

A arte africana representa os usos e costumes das tribos africanas. Este tipo de arte é funcional e expressam muita sensibilidade. Nas pinturas, assim como nas esculturas, a presença da figura humana identifica a preocupação com os valores étnicos, morais e religiosos. A escultura foi uma forma de arte muito utilizada pelos artistas africanos usando-se o ouro ou o marfim, tendo a possibilidade de adquirir forças mágicas. As máscaras são confeccionadas em barro, marfim, metais, mas o material mais utilizado é a madeira. As “máscaras” são as formas mais conhecidas da plástica africana. Para estabelecer a purificação e a ligação com a entidade sagrada, são modeladas em segredo na selva. Visitando os museues da Europa Ocidental é possível conhecer o maior acervo da arte antiga africana no mundo.



Luís Vicente

 

Joan Miró Novembro 23, 2008

Filed under: Uncategorized — jorge sousa @ 10:27 pm

 

miro_retrato2

 

       Nasceu em Barcelona em 1893. Filho de joalheiro, , desde muito cedo se revelou a sua inclinação para a pintura. Uma grave doença fê-lo deslocar-se para Tarragona, onde se decidiria a dedicar-se inteiramente à pintura, e aonde voltaria frequentemente em busca de inspiração. Em 1920, instala-se em Paris onde encontra Picasso, Maurice Raynal, Reverdy, Trisan Tzara e Max Jacob. Após um período caracterizado por um intenso realismo, de que a sua maior expressão será a peça La Masia (1922), voltou-se para o surrealismo, relacionando-se com André Breton, Louis Aragon e Paul Éluard. Trabalhou no mundo do teatro e da dança, iniciando-se com a cenografia, juntamente com Max Ernst, de Romeu e Julieta para o Ballet Russo.

      O reconhecimento internacional surge durante os anos 30, precedido pela bem sucedida exposição de 1925 em Paris, com exposições nos EUA e em Bruxelas. A que se seguiram frequentes retrospectivas em todos os grandes centros mundiais de arte. Notáveis são as suas pinturas Constelações, influenciadas pelas guerras de Espanha e Mundial, revelando um constante desenvolvimento de formulações pictóricas, e marcando o início de um período mais pessoal e aberto. Nos anos 50, inicia a produção de obras de grande formato. A sua grande criatividade conduziu-o a experimentar em campos tão diversos como gravura, cerâmica, escultura e tapeçaria. Em 1975, é inaugurada a Fundação Joan Miró, em Barcelona, onde, além da exposição do seu trabalho, se estuda e investiga em arte contemporânea.

      Morreu em 1983 em Palma de Maiorca.